Desde 2004, jornais da Rádio Nacional pautam interesse das comunidades da Amazônia

  • 02/09/2017 - 14h02

Maíra Heinen

Trazer a região para o centro da pauta.

 

Essa é a função da equipe de radiojornalismo da Nacional da Amazônia.

 

Diariamente são telefonemas, entrevistas, cobertura de manifestações e do Congresso Nacional, que se transformam em matérias de interesse da população amazônida.

 

O primeiro jornal com matérias específicas para a região foi ao ar em 2004.

 

Começava ali o Jornal da Amazônia.

 

A equipe era pequena, mas a vontade de fazer um jornalismo diferenciado era maior.

 

Quem fala dessa experiência é a primeira repórter do jornal, Flávia Peixoto, hoje, repórter da TV Brasil.

 

Sonora: Pra mim foi uma experiência incrível né, no início toda aquela emoção de tá começando algo tão importante, uma experiência pioneira, um jornal direcionado só pros ouvintes da Amazônia, ligar pra um orelhão de um lugar onde não chega sinal de nada, e aí alguém atende o orelhão e aí você fala que é do Jornal da Amazônia e aí todo mundo: 'Ah, eu conheço o jornal, eu quero participar!', então isso foi algo muito novo pra uma jornalista.

 

O jornalismo voltado para a amazônia encantou Sâmia Mendes, editora que está na equipe há 12 anos.

 

Para ela, o diferencial do jornalismo na Nacional é o tipo de abordagem que a equipe faz dos assuntos regionais.

 

Sonora: Completamente diferente. Primeiro que a gente sai daquela coisa de que a Amazônia se restringe à floresta. Têm pessoas que vivem lá e essas pessoas precisam de informação. Muitas vezes elas contam com o rádio, com o trabalho que a gente faz, pra ter notícia do mundo. Então isso é muito legal. Saber que a gente ajuda essas pessoas de alguma forma.

 

E são diversas as coberturas especiais, viagens e grandes pautas que marcam a vida da equipe de jornalistas da Nacional da Amazônia.

 

A repórter Graziele Bezerra leva na bagagem histórias especiais de seu trabalho amazônia afora.

 

sonora: Eu me encantei muito com Parintins. O sobrevoo já encanta a gente né, a Amazônia assim... você vai olhando aquela imensidão, e pensar que ali no meio daquela floresta tem alguém ouvindo a gente, porque só a Rádio Nacional da Amazônia chega nesses pontos. Eu tenho sim um sentimento de pertença, eu sou amazônia também, um pouquinho Amazônia também.

 

A repórter Bianca Paiva, também se sente parte da Amazônia, principalmente depois de se tornar correspondente da equipe em Manaus. Ela revela as percepções que tem trabalhando na região.

 

Sonora: O grande diferencial de ser correspondente é você estar no lugar, você ter contato com as pessoas, com quem vive ali, com quem vive aquela realidade. A gente tem um retorno dos órgãos que reconhecem que a rádio ela chega até as pessoas, até o interior.

 

A equipe de radiojornalismo da Nacional da Amazônia conta com hoje com oito profissionais que também levam as notícias da Amazônia para o resto do Brasil durante os jornais nacionais ao longo do dia.

 

No fim da tarde, o Repórter Amazônia vem com a proposta de integrar e fortalecer os estados que compõem a região da Amazônia Legal.

 

Transmitido em rede pelas emissoras públicas de vários estados o Repórter Amazônia apresenta, diariamente, matérias e flashes ao vivo das rádios parceiras.

 

Ir para a versão desktop