Ouvintes destacam papel social da Rádio Nacional da Amazônia

  • 02/09/2017 - 13h29

Maíra Heinen

Sonora: Quando eu tive meu filho mais velho, pessoal falava que meu leite era fraco, ele chorava muito e eu comecei a fazer mingau. E aí, quando eu comecei a ouvir a rádio, eu ouvi sobre amamentação, e daquele dia em diante eu aprendi que é importante a gente amamentar a criança.

 

A ouvinte Ruth de Freitas, moradora da zona rural do município de Brasil Novo, no Pará, é o exemplo vivo do importante papel social da Nacional da Amazônia na região.

 

Como Ruth, milhares de ouvintes já acessaram alguma informação relevante que fez diferença na própria vida e no dia a dia da comunidade.

 

Em locais de difícil acesso, muitas vezes, a rádio é o único meio a oferecer notícia com credibilidade.

 

O procurador do Ministério Público Federal, Felício Pontes, atuou muitos anos na procuradoria da república no Pará.

 

Ele destaca a parceria da Rádio Nacional da Amazônia na região.

 

Sonora: É a minha rádio favorita, tenho que dizer isso. Porque é uma rádio que nos ajuda muito nessa imensidão da amazônia. Muitas vezes tive que acionar a Rádio Nacional pra que me ajudasse na comunicação com povos indígenas, com povos quilombolas. Muitas vezes tivemos que fazer reunião, cancelar reunião, alterar datas de reuniões e não tínhamos como entrar em contato com as comunidades que estavam preparadas pra nos receber ansiosamente. E foi só através da Rádio Nacional que nós conseguimos isso.

 

Indígenas, outros integrantes de populações tradicionais, enxergam na Rádio Nacional da Amazônia a possibilidade de divulgação de pautas importantes, muitas vezes ignoradas por outros meios de comunicação, como ressalta a liderança indígena Sônia Guajajara.

 

Sonora: A Rádio Nacional pra gente, assim, sempre teve uma abertura muito grande. Estando em Brasília ou não, a gente sempre pode levar a nossa demanda, apresentar a nossa pauta de forma muito tranquila, de forma muito autônoma. É um canal que realmente contempla aquilo que a gente quer dizer, sem censura.

 

Comunidades tradicionais, meio ambiente, agricultura familiar, saúde, economia educação. Diariamente, esses e outros temas são abordados pela Nacional e entram nas casas amazônidas numa relação de confiança mútua, por meio dos programas e do radiojornalismo feito na emissora.

 

Um verdadeiro trabalho de comunicação pública feito há 40 anos.

Ir para a versão desktop