Alguns blocos do Rio questionam letras de marchinhas antigas; elas são consideradas ofensivas

  • 12/02/2018 - 21h35

Tâmara Freire

As marchinhas continuam ditando o ritmo do carnaval de rua do  Rio de Janeiro. Mas não todas nem todos os blocos.

 

Grupos que desfilam, principalmente no circuito não oficial, têm questionados algumas músicas por considerarem que suas letras são racistas,machistas ou homofóbicas.

 

 

Ir para a versão desktop