Império Serrano e Grande Rio poderão desfilar pelo grupo especial no carnaval de 2019

  • 01/03/2018 - 13h23

Ícaro Matos

Uma virada de mesa na Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) evitou o rebaixamento de agremiações em 2018. A decisão foi tomada em plenária da Liga, realizada na noite dessa quarta-feira (28). Das 14 escolas que participaram da votação, apenas duas – Mangueira e Portela – foram contrárias à anulação da queda das duas últimas colocadas no carnaval de 2018.


Com isso, o Império Serrano, que ficou em último lugar, e a Grande Rio, penúltima, permanecerão no Grupo Especial que, com a ascensão da Unidos do Viradouro, campeã da Série A deste ano, passará a contar com 14 escolas em 2019.


Na plenária, também foi decidido que, em 2019, serão rebaixadas duas escolas, com o acesso de apenas uma. O mesmo procedimento vai ser adotado em 2020, para que, em 2021, o grupo especial volte a ter 12 escolas de samba.


De acordo com a Liesa, a decisão levou em consideração pedidos feitos pelo prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, e pelo presidente da Riotur, a Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro, Marcelo Alves, além de manifestações de solidariedade do governador do estado, Luiz Fernando Pezão; do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; e do prefeito de Duque de Caxias, cidade sede da Grande Rio, Washington Reis.


Este foi o segundo ano seguido em que nenhuma escola foi rebaixada. Em 2017, a Unidos da Tijuca e a Paraíso do Tuiuti foram beneficiadas pela decisão e permaneceram no Grupo Especial.

Ir para a versão desktop