Ação a favor da população LGBT em presídio foi destaque do prêmio Innovare 2017

  • 05/12/2017 - 18h51

Lucas Pordeus Leon

Iniciativas inovadoras no ramo da Justiça receberam prêmio no Supremo Tribunal federal, nesta terça-feira (5), em Brasília.

 

O destaque de 2017 foi para a prática “Meninas Encantam", que funciona em dois presídios do estado do Ceará desde 2014.

 

A ação combate o preconceito contra a população LGBT presa.

 

Um dos idealizadores, o agente penitenciário Marcus Aurélio Karbage, explica que o programa criou o respeito entre os presos de diferentes orientações sexuais.

 

Também foi premiada uma ação que ampara filhos de mulheres presas. 

 

De iniciativa do Tribunal de Justiça de Goias, o trabalho diminui a chance de reincidência das mães e delinquência dos filhos.

 

Mais de 300 mães presas foram beneficiadas, como explicou o Juiz Fernando Chacha.

 

Chamou atenção ainda o prêmio dado a Procuradora do Estado do Rio Grande do Sul, Roberta Siqueira.

 

A vencedora explica que, em parceria com os presos, as autoridades conseguiram implementar um presídio modelo.

 

Em um ano, o índice de reincidência dos presos atendidos pelo programa foi de cerca de 20%, enquanto a média no país de retorno ao sistema carcerário é de 70%.

 

Está foi a 14ª edição do prêmio Innovare, que beneficia iniciativas no ramo da Justiça.

 

Ir para a versão desktop