ONG desenvolve projetos educativos e de lazer para crianças indígenas da Venezuela

  • 24/11/2018 - 08h57

Bianca Paiva

Elas mudaram de país e precisam se adaptar a uma nova rotina, cultura e língua.

 

Esta é a realidade de crianças e indígenas venezuelanas das etnias warao e e'ñepá que migraram junto com a família para o Brasil em busca de melhores condições de vida.

 

Para facilitar o acesso delas à educação e a atividades de interação com a cidade onde agora vivem, sem deixar a cultura própria de lado, a Organização Não-Governamental Visão Mundial desenvolve projetos no abrigo localizado no bairro Pintolândia, em Boa Vista, Roraima.

 

Segundo Graziela Camargo, assessora de emergência da ONG, o trabalho iniciou em agosto do ano passado.

 

Sonora: "A gente estruturou um projeto de educação onde elas poderiam aprender o português, como língua de acolhimento, e também inserimos os professores. Tem professores entre eles, que ensinam a cultura, a língua materna, artesanato da cultura deles, pra fortalecer isso, para que eles não percam isso nesse período de migração."

 

Atualmente o projeto atende cerca de 220 crianças e adolescentes de quatro a 18 anos. Graziela conta que os indígenas tem mais dificuldade de interagir e de se adaptar do que os não-indígenas. Por isso, entre as atividades oferecidas, estão passeios pela cidade de Boa Vista, para que eles possam sair do ambiente do abrigo.

 

Sonora: "A gente tenta levar elas para fora do abrigo. Já fizemos diversos passeios. Levamos elas pro cinema, pra um parque florestal, para o zoológico. Para tentar sair um pouco ali de dentro e conhecer a cidade. Porque infelizmente elas ainda não estão inseridas nas escolas e ainda não tem contato com a cultura aqui. Então a gente tenta fazer atividades lúdicas com os professores no abrigo e sempre que a gente sai tenta levar um pouco de diversão porque são crianças que tem passado por um momento difícil e sofrido."

 

Um dos últimos passeios foi ao Parque Ecológico Bosque dos Papagaios. Na ocasião, as crianças tiveram uma aula especial sobre educação ambiental e aprenderam os nomes de árvores e animais em português, espanhol e na língua indígena. O Darwin, de 15 anos, disse que gostou do passeio e que quer voltar mais vezes.

 

A ONG Visão Mundial atua no Brasil desde 1975 e tem como prioridade as crianças e adolescentes que vivem em comunidades pobres e vulneráveis.

 

No abrigo em Roraima, a organização atua junto com o Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância e a Fraternidade – Federação Humanitária Internacional.

Ir para a versão desktop