Pasto, monocultura e violência no campo são realidade da Amazônia que Chico sonhou conservar

  • 22/12/2018 - 10h55

Renata Martins

No caminho que leva ao seringal Cachoeira – símbolo dos empates feitos por Chico Mendes e os seringueiros para impedir o desmatamento, a floresta aparece no horizonte, depois do descampado ocupado pelo gado.

 

O pasto faz parte da paisagem da Amazônia. A monocultura também. Esse modelo de desenvolvimento preocupa os defensores das ideias de Chico mendes.

 

Raimundo Mendes vive na reserva extrativista que leva o nome do primo. Raimundão se mostra preocupado com o futuro do lugar.

 

Para Cláudio Maretti, diretor do ICMBio, a organização das pessoas, a produção com retorno econômico para quem vive nas reservas e a conservação da floresta são os desafios do presente e do futuro.

 

Os conflitos agrários ainda são uma realidade no Brasil.

 

Um dos coordenadores da Comissão Pastoral da Terra, Ruben Siqueira faz um balanço sobre a violência no campo três décadas depois do assassinato de Chico Mendes.

 

Honrar a memória e defender o legado de Chico Mendes, 30 anos após a sua morte. O desafio foi debatido esta semana, em Xapuri, Acre.

 

O encontro reuniu cerca de 600 pessoas. Extrativistas, trabalhadores rurais, líderes sindicais, pesquisadores, ativistas do Brasil e de diversos lugares do mundo estavam lá. Na Carta Xapuri - documento final do encontro para celebrar o legado do ambientalista um pacto: ninguém abandona a defesa dos povos da floresta. Ninguém desiste do legado de Chico Mendes!

 

 

*Sonoplastia de Messias Melo

Ir para a versão desktop