Corpo de cacique morto em terra Wajãpi, no Amapá, é exumado; laudo fica pronto em 30 dias

  • 02/08/2019 - 21h14

Juliana Cézar Nunes

Técnicos da Polícia Federal e da Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Amapá realizaram, nesta sexta (2), a exumação do corpo do cacique Emyra Wajãpi.

 

Ele teria sido morto no dia 23 de julho, nas proximidades do município de Pedra Branca do Amapari, na região oeste do estado.

 

A exumação faz parte das investigações sobre a causa da morte do cacique. A necrópsia deve ser realizada em Macapá. O laudo pericial fica pronto em no máximo 30 dias.

 

As lideranças indígenas acreditam que Emyra Wajãpi foi assassinado por garimpeiros que invadiram o território fortemente armados. Uma equipe da Polícia Federal esteve na região e não encontrou indícios da invasão ou do assassinato.

 

O caso está sob investigação do Ministério Público Federal. Parlamentares do estado acompanham as apurações.

 

A segurança da Terra Indígena Wajãpi foi reforçada, com agentes federais e estaduais.

 

Guerreiros dos povos Wajãpi também fazem a vigilância das rotas de entrada e saída do território.

Ir para a versão desktop