Agentes penitenciários denunciam transferência de presos sem cuidados sanitários em SP

  • 22/06/2020 - 15h50

Nelson Lin

Desde o dia 15 de Junho, mais de 6,5 mil detentos estão sendo transferidos do regime fechado para o semiaberto, mas o Sindicato dos Funcionários Penitenciários do Estado de São Paulo, Sifuspesp, denuncia que essa transferência está sendo feita de forma imprópria e que pode agravar a contaminação de detentos e funcionários por Covid-19.


De acordo com o sindicato, a transferência está ocorrendo com os presos sem máscaras, como é o caso do Centro de Progressão de Pena em Tremembé, a 145 km da capital.


O grande problema apontado pelos funcionários penitenciários é que a transferência dos mais de 6 mil presos excede muito a capacidade do sistema. No centro de Pacaembu, por exemplo, a capacidade é para 686 presos, mas já há 1.139 pessoas, e a previsão é de chegada de mais 574.


Para Fábio Jabá, presidente do sindicato, a superlotação é crônica em todas as unidades prisionais desde os anos 2000. Ele denuncia o desmonte e o descaso do governo com o sistema prisional exemplificado pelo fato que, desde a sua posse, o governador João Dória não fez a convocação de funcionários concursados.


Cabe lembrar que, no último dia 11, a Justiça concedeu liminar favorável ao sindicato determinando que a Secretaria de Administração Penitenciária tomasse medidas de proteção aos trabalhadores e aos detentos, além de realizar testagem em massa. Na época, a secretaria afirmou que os testes iriam começar na penitenciária de Sorocaba.


Mas procurada novamente pela reportagem sobre os questionamentos mais recentes, a pasta não retornou o contato.


Segundo apuração do sindicato, atualmente há 258 trabalhadores infectados e 17 mortes. Entre a população carcerária, são 256 casos confirmados, 14 mortes e 80 casos suspeitos, conforme mapeamento do Departamento Penitenciário Nacional.

Ir para a versão desktop