Trocando em Miúdo: O mundo maravilhoso da tecnologia que fez do celular um computador de mão

  • 18/04/2017 - 01h56

Apresentação Eduardo Mamcasz

 

Olá, prezada pessoa ouvinte cidadã.

 

A prosa de hoje (18) não é para quem é do tempo do orelhão, não. Quer dizer, a não ser que já tenha migrado, como se diz, para o smartphone, nem precisa ser o de última geração, basta servir de telefone, de computador e, se tiver o serviço no seu pedaço, até viajar na internet. Então, vamos nessa.

 

É o seguinte. Vivemos hoje, no Brasil, com quase 50 milhões desses aparelhinhos ditos móveis, que todo mundo, no lugar de conversar com o próximo, fica só ali, fingindo não sei o quê. Mas brincadeira à parte, conversando aqui com o analista de mercado Jorge Hage, vamos saber se isso é bom mesmo. Jorge Hage, essa mobilidade tem lá suas vantagens, não é mesmo?



De qualquer forma, ainda tem muito computador de mesa, fixo, o desktop, embora a venda desses tenha caído 35%. Mas isso vem mudando, e o celular é que está com tudo, não é, Joge Hage?

 

Vamos falar agora um pouco da venda. Computador vendendo menos, mas durando mais. Isso quando ele tem mais qualidade, mais potência. Muitas empresas ainda precisam dele, do computador de mesa que falávamos agorinha. Mas precisa de atualização dos programas mais usados. Não é que nem geladeira, por exemplo, que é só trocar ou que dura muito tempo. Jorge Hage fala da comercialização de computadores no Brasil.

 

Agora, para o principal, o smartphone, que tem invadido os lares. Esses milhões de aparelhinhos, que, antes, eram apenas celulares e substituíram as filas nos orelhões, onde a gente até fazia amizades, mas, enfim, chegou o smartphone, que entra no lugar do antigo celular. Muda a linha de consumo, né? E ele se acaba mais rapidamente também, verdade?

 

Tem mais uma coisa para fechar a prosa de hoje. Está tudo muito bom, a gente pensa que todo mundo está ligado ao mesmo tempo nas ondas da internet, mas acontece que ela custa caro, nem sempre existe ou muitas vezes falha. Pelo menos aqui no Brasil. Jorge Hage, como está a internet no Brasil? Precisa melhorar e muito, não é mesmo?

 

Então, tá. 

 

Dá licença que estou ouvindo um toque.

 

Inté e axé.


 


 

Trocando em Miúdo: Quadro do programa "Em Conta", da Rádio Nacional da Amazônia. Aborda temas relacionados a economia e finanças, traduzidos para o cotidiano do cidadão. É distribuído em formato de programete, de segunda a sexta-feira, pela Radioagência Nacional. Acesse aqui as edições anteriores.

Ir para a versão desktop