Funcionários da Eletrobras fazem paralisação; serviços essenciais serão mantidos

  • 11/06/2018 - 16h49

Tâmara Freire

Mesmo com uma decisão judicial impondo um limite de 25% de adesão, os trabalhadores do Sistema Eletrobras decidiram manter a paralisação programada para esta segunda-feira (11).

 

De acordo com a Federação Nacional dos Urbanitários, como as entidades que representam a categoria ainda não foram notificadas, 90% dos 24 mil funcionários do sistema aderiram ao movimento. Os outros 10%/ são profissionais da área operacional que trabalham por turno de 24 horas e estão garantindo os serviços essenciais. A federação convocou assembleias, ao longo do dia, para deliberar a continuidade da paralisação assim que for notificada da decisão. Inicialmente, a paralisação terá a duração de 72 horas.

 

A manifestação é contra a privatização da empresa e alcança todas as unidades de geração, transmissão e distribuição de energia, além das distribuidoras nos estados.

 

De acordo com o diretor da federação, Emanuel Mendes, a categoria pede também a saída do presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior que esta conduzindo o processo de venda.

 

Na semana passada, o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou a publicação do edital de privatização de seis distribuidoras de energia elétrica da Eletrobras.

 

A intenção do governo é finalizar o processo até 31 de julho mas, ele foi suspenso por uma decisão da Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro. A Eletrobras já recorreu mas, o recurso ainda não foi julgado.
Em nota, a empresa afirmou que não dispõe de recursos suficientes para realizar investimentos e, por isso,  a capitalização da companhia é necessária. Quanto às tarifas, alegou que fez um estudo com vários cenários que apontou redução já em 2019, como consequência da desestatização.

 

A Eletrobras declarou ainda, que todos os desligamentos do quadro de pessoal durante o processo de reestruturação foram feitos por meio de programas de aposentadoria extraordinária ou de demissão consensual, com o pagamento de todos os direitos trabalhistas.

Ir para a versão desktop