Setor de Serviços recua em junho com queda em todas as atividades, diz IBGE

  • 09/08/2019 - 12h01

Cristiane Ribeiro

O volume de serviços no Brasil caiu 1,0% em junho de 2019, na comparação com o mês anterior. A taxa, conforme divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta sexta-feira (9), é a pior para o mês, desde 2015, quando apresentou o mesmo resultado.

 

A Pesquisa Mensal de Serviços mostra que o desempenho negativo foi acompanhado por todas as cinco atividades, o que não acontecia desde maio de 2018, mês da greve dos caminhoneiros.

 

A pressão maior em junho, no entanto, veio do comportamento das atividades de transportes e de comunicação e informação, que caíram 1% e 2,6%, respectivamente. É que juntas, elas representam quase 2/3 do volume total de serviços.

 

Com exceção dos transportes terrestres, todos os grupos dessas duas atividades tiveram queda no mês, o que ajuda a explicar o resultado negativo de junho.

 

O gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, destaca os serviços de tecnologia da informação, que interromperam duas altas seguidas.

 

Em relação a junho de 2018, o volume de serviços caiu 3,6%, com retração em três das cinco atividades. Transportes exerceu a maior influência negativa, com queda de 10,9%, a mais intensa desde outubro de 2016 e superando o recuo de maio de 2018.

 

Segundo Rodrigo Lobo, a greve dos caminhoneiros gerou um excesso de demanda em junho do ano passado, o que dá a dimensão de como estava alto o patamar para os transportes.

 

No acumulado do ano, o setor cresceu 0,6%, com ligeira perda de dinamismo frente ao segundo semestre de 2018. Já nos últimos 12 meses, os serviços reduziram o ritmo, ao passar de 1,1% em maio para 0,7% em junho.

Ir para a versão desktop