Produtor de RR pode vender frutos livres da mosca-da-carambola

  • 10/09/2019 - 09h52

Marcela Rebelo

Roraima reforçou as barreiras fitossanitárias e, com isso, produtores que estavam impedidos de comercializar frutos para outros estados, por causa da praga da mosca-da-carambola, já podem vender novamente.

 

Frutos vindos de áreas erradicadas, de áreas sem ocorrência da praga e da chamada zona tampão, que é uma região de segurança perto da área-foco, podem ser comercializados para outros estados.


Para evitar a disseminação da praga, desde junho produtores dessas localidades estavam impedidos de vender, já que as barreiras fitossanitárias não estavam funcionando adequadamente. 

 

A situação foi revertida depois de um repasse de verbas do Ministério da Agricultura para investimento nas barreiras fitossanitárias, como explica o diretor de defesa vegetal da Agência de Defesa Agropecuária de Roraima, Marcelo Parisi.


Os municípios de Alto Alegre, Amajari, Normandia, Pacaraima, Uiramutã, além do norte de Boa Vista e norte de Bonfim, ainda estão sob quarentena porque podem ter focos da mosca-da-carambola.


Por isso, produtores dessas áreas continuam sem poder comercializar para outros estados.

 

Mas a liberação de parte das vendas já foi comemorada, como destaca Marcelo Parisi.


A coordenadora-geral de Proteção de Plantas do Ministério da Agricultura, Graciane Gonçalves de Castro, explica que atualmente a mosca-da-carambola está restrita aos estados do Amapá, Pará e Roraima.  O controle é feito para evitar que a praga passe para outros estados, principalmente para o Amazonas, maior mercado dos produtores de Roraima.


Graciane fala sobre os prejuízos que a mosca-da-carambola pode trazer aos produtores.


A resolução sobre o controle da mosca-da-carambola em Roraima e a liberação de áreas para comercialização foi publicada no Diário Oficial da União, na última sexta-feira, dia 6 de setembro.

Ir para a versão desktop