Recursos da dívida de SP com a União vão ser direcionados à saúde pública; estimativa é de R$ 7,2 bi

  • 23/03/2020 - 20h26

Eliane Gonçalves

O governador de São Paulo, João Dória, vai destinar todos os recursos da dívida do estado com a União para investimento na rede de saúde pública. A moratória foi autorizada nesse domingo pelo o ministro do STF, Alexandre de Moraes.


Como a suspensão do pagamento vale até o dia 30 de julho, a estimativa é de que R$ 7,2 bilhões deixem de ir para os cofres federais para serem transferidos para a rede de saúde do estado.


Também foi anunciada a criação de uma rede de testagens para o coronavírus. 17 laboratórios ligados à USP, a Universidade de São Paulo, começam a fazer testes a partir de quarta-feira. A promessa é que a rede faça 2 mil exames por dia.


O Hospital das Clínicas, o maior da América Latina, também vai destinar 900 leitos de UTI para atender pacientes com coronavírus. Os primeiros 200 leitos vão estar disponíveis até sexta-feira e, até o dia 10 de abril, outros 700 leitos sejam entregues.


Outra decisão anunciada nessa segunda-feira foi a proibição de corte do fornecimento de gás encanado para as residências até o dia 31 de maio, e a suspensão das multas para as empresas que não consumirem o mínimo previsto em contrato. Já as tarifas para o fornecimento de água vão ser suspensas para consumidores de baixa renda e moradores de favela.


A prefeitura de São Paulo começou a montar dois hospitais de campanha que vão ocupar o estádio do Pacaembu e o parque do Anhembi. Esses hospitais vão abrigar 2 mil leitos de baixa complexidade para atender pacientes com suspeita de infecção pelo coronavírus. Os investimentos são da ordem de R$ 35 milhões, e vão ser administrados pelo hospital privado Albert Einstein.  A previsão é de que a estrutura fique pronta até sexta-feira.


O prefeito Bruno Covas também prometeu enviar para a Câmara de Vereadores um projeto de lei que prevê a desvinculação de todos os fundos da prefeitura para que os recursos possam ser destinados para fortalecer a rede de saúde.  As votações na Câmara de Vereadores da cidade vão passar a ser feitas online para evitar a reunião dos parlamentares em plenário.


O estado de São Paulo registrou nessa segunda-feira 745 casos de coronavírus e 30 óbitos, 27 deles em hospitais privados.


E partir dessa terça-feira começa a quarentena em todo o estado. todos os serviços não essenciais vão ser interrompidos. bares e restaurantes ficam fechados. padarias podem abrir, mas sem fornecer alimentos preparados.


Continuam funcionando serviços de saúde, empresas de limpeza e manutenção, supermercados, açougues e verdurões, postos de combustível, oficinas mecânicas,  construção civil e telemarketing. A recomendação em São Paulo agora é que as pessoas evitem sair às ruas até mesmo para fazer atividades físicas, como caminhadas e corridas.

Ir para a versão desktop