Índice usado para reajustar aluguel sobe em julho

  • 30/07/2020 - 18h17

Cristiane Ribeiro

O Índice Geral de Preços (IGP-M) subiu 2,23% em julho, bem acima da taxa de junho, de  1,56%. Com este resultado, divulgado nesta quinta-feira (30) pela Fundação Getulio Vargas, o índice que serve como referência para o reajuste dos contratos de aluguel acumula alta de 6,71% no ano e de 9,27% em 12 meses.

 

Neste mês, os três componentes do IGP-M apresentaram aceleração. O Índice de Preços no Atacado (IPA), que tem o maior peso, registrou forte alta nos preços de importantes commodities, como minério de ferro, soja e bovinos. Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) foi diretamente influenciado pela alta no preço da gasolina. A taxa do Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) avançou devido aos acordos coletivos firmados no Rio de Janeiro e em São Paulo que resultaram em alta na mão de obra.

 

De acordo com o economista e coordenador de Índices de Preços da Fundação, André Braz, vale destacar que o aumento de mais de 100% nos preços dos combustíveis para a produção também influenciou bastante na alta do Índice de Preços no Atacado. Já os alimentos in natura tiveram queda nos preços e pressionaram o indicador para baixo.

 

Ainda segundo Braz, no Índice de Preços ao Consumidor, além da gasolina, os preços das passagens aéreas e os medicamentos tiveram forte alta. No sentido contrário, caíram os preços de hortaliças e legumes, roupas e alimentos para animais domésticos.

Ir para a versão desktop