Com salários atrasados, professores da Uerj entram novamente em greve

  • 03/10/2017 - 20h35

Lígia Souto

Os professores da Uerj, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, entraram em greve nesta terça-feira. Os profissionais afirmam que não há previsão de pagamento do salário de agosto, que a universidade permanece sem custeio e que as bolsas continuam atrasadas.

 

A paralisação foi aprovada em uma assembleia realizada na última quarta-feira. A Asduerj, Associação dos Docentes da Uerj informou que a decisão é "uma resposta à quebra de isonomia entre as categorias de servidores públicos".

 

O professor e representante da Asduerj, Frederico Irias, disse que a próxima assembleia, marcada para esta quarta-feira, vai decidir a estratégia que será adotada e, também, definir o futuro da greve, se será por tempo indeterminado ou não. Ele ressaltou que, apesar de o governo ter anunciado o retorno à normalidade, nada mudou e o cenário do primeiro semestre de 2017 continua.

 

Por nota, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social informou que a expectativa é que o pagamento das despesas referentes ao custeio da Uerj seja intensificado e normalizado com a execução do plano de recuperação fiscal do estado.

 

Já a Secretaria de Estado de Fazenda afirmou que estão em aberto os vencimentos de agosto para mais de 72 mil servidores ativos, inativos e pensionistas. A nota informa que faltam receber os servidores que ganham acima de 2 mil 744 reais líquidos e que a Fazenda vai anunciar posteriormente quando se dará o novo pagamento, de acordo com o resultado da arrecadação tributária.

Ir para a versão desktop