Estudantes ainda ocupam reitoria da UnB; eles querem audiência pública para debater orçamento

  • 13/04/2018 - 19h02

Mariana Martins

A Reitoria da Universidade de Brasília segue ocupada, desde a última quinta-feira, por estudantes e por servidores terceirizados.

 

O ato iniciou depois que, segundo os manifestantes, as negociações para a desocupação da sede do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, o FNDE, que aconteceu no início da semana, não foram atendidas.

 

Na última terça-feira, professores, estudantes e funcionários da UnB fizeram uma paralisação e um protesto na frente do MEC. Parte dos estudantes que estava na manifestação seguiu para um ato na sede do FNDE e ocupou a prédio que funciona o Fundo.

 

Os universitários, que não são vinculados ao Diretório Central dos Estudantes,  e só se pronunciam por meio de nota, pedem a realização de uma audiência pública entre o Ministério da Educação e a Reitoria da UnB sobre questões orçamentárias.

 

Em nota publicada no mesmo dia da paralisação, o Ministério da Educação afirmou que os dados apresentados pela Gestão da UnB são incompatíveis com os dados da pasta, uma vez que o orçamento global da universidade aumentou. O MEC alega ainda que para custeio, a UnB teve aumento de 12% no orçamento e que já foram liberados 60% do custeio de 2018.

 

O chefe de Gabinete da reitoria, o professor Paulo Cesar Marques, diz que o problema não está na integralidade do repasse das verbas advindas do ministério, e sim no contingenciamento para uso dos recursos, inclusive, os que são de arrecadação da própria UnB.

 

Paulo Cesar confirmou que a UnB participará da audiência pública solicitada pelos manifestantes, que deve ocorrer na próxima segunda-feira, com mediação da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Já o MEC falou, em nota, que está analisando os pedidos dos estudantes.

Ir para a versão desktop