Museu Vivo da Memória Candanga transforma-se em sala de aula, no DF

  • 14/01/2020 - 15h34

Jacqueline Pontevedra

No espaço não formal de aprendizagem, as lições são sobre a preservação, a difusão da história e da cultura candangas.

 

Para oferecer esta experiência, o professor de História, Pedro Carvalho, levou 45 alunos do centro de Ensino Fundamental Dra Zilda Arns, que fica no Itapoã, para visitar o museu.

 

Para compreender todas as memórias presentes, os alunos assistem a uma palestra explicativa sobre o museu e ao filme "Brasília, Terra de Todos Nós". Depois conhecem uma maquete e a exposição "Poeira, Lina e Concreto", que trata da mudança da capital para o Planalto Central Brasileiro, até a inauguração de Brasília. 

 

 

Ir para a versão desktop