Agentes de Defesa Civil de cidades na Amazônia monitoram áreas de risco de alagamentos

  • 11/01/2019 - 14h11

Michelle Moreira

Macapá tem 31 áreas de risco de alagamentos. A zona central da cidade é a mais crítica, com 15 pontos propensos a serem mais afetados com possíveis cheias. Esse é o resultado de mapeamento da coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Amapá.

 

Entre os bairros mais críticos estão Novo Horizonte, São Lázaro, Pantanal, Cidade Nova, Laguinho e Santa Rita.

 

O levantamento integra o plano de contingência que é repassado às Secretarias para que sejam pensadas estratégias de forma conjunta.

 

As chuvas chegaram mais cedo no estado por conta do La Niña, que diminuiu o período de estiagem no Amapá.

 

A população vem sendo avisada por meio de painéis de LED localizados em alguns pontos da cidade sobre os cuidados a serem tomados.

 

Entre as recomendações está: ficar atento aos níveis dos rios e igarapés; nunca deixar crianças sozinhas e trancadas dentro de casa; sair do imóvel quando solicitado pela Defesa Civil; e não retornar ao local alagado por conta própria.

 

Em São Luiz, no Maranhão, a Defesa Civil municipal também mantém o monitoramento constante nas áreas consideradas de risco.

 

Nesta semana, agentes do órgão vistoriaram áreas de encostas da Vila Embratel, Anjo da Guarda e Coroadinho. Os moradores também estão sendo informados sobre os riscos e de como devem proceder ao verificar possíveis sinais de desmoronamento.

 

Em caso de necessidade de remanejamento das famílias, a Defesa Civil aciona a Secretaria Municipal de Assistência Social e o Centro de Referência da Assistência Social para que as pessoas sejam acolhidas e, se necessário, incluídas em programas, como o aluguel social.

Ir para a versão desktop