Companhia Energética de Brasília será a primeira empresa do Distrito Federal a ser privatizada

  • 13/08/2019 - 23h02

Anna Luisa Praser

Foi dada a largada para o programa de privatizações de empresas do Distrito Federal. A CEB - Companhia Energética de Brasília – é a primeira do pacote, que pretende dar o mesmo destino à Caesb e ao Metrô.

 

Uma cerimônia realizada nessa terça-feira no Palácio do Buriti foi o marco inicial para o contrato de prestações de serviços entre o BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Social e o GDF.

 

A função desse acordo é que seja estruturado o projeto de venda de pouco mais da metade da CEB. Isso seria feito por meio do repasse de uma parte do controle societário – que seria a venda de ações da empresa à iniciativa privada. 

 

Em discurso na assinatura do convênio, o governador do Distrito Federal fez críticas ao que ele julgou como políticas assistencialistas das outras gestões que, segundo ele, quis conceder benefícios em excesso à população e não fez investimentos necessários. Ainda durante a fala, Ibaneis Rocha rebateu as reclamações sobre as privatizações:

 

“Todo mundo esquece que já não existe mais cobertor. Estamos vivendo de um guardanapo, e está amassado. Porque já foi usado várias vezes por diversas pessoas que não souberam honrar o dinheiro dos impostos que recebem. E de outro lado eu tenho uma população que cobra a todo momento, porque ela paga os tributos. E têm um péssimo retorno na prestação dos serviços”.

 

Ibaneis defendeu ainda que abrir caminho para a iniciativa privada é uma forma de ter mais recursos para investir em políticas.

 

O contrato assinado nesta terça-feira garante que 49% das ações fiquem sob a responsabilidade da CEB Holding.

 

Ainda não há previsão de quando a privatização da companhia vai começar de fato, mas a expectativa é de que ela se concretize até o ano que vem.

Ir para a versão desktop