Estados aumentam transparência de gastos com Covid-19; 25 sobem em ranking de ONG

  • 29/06/2020 - 12h59

Lucas Pordeus León

Capitais e estados aprimoraram a transparência de gastos com a Covid-19 e sobem no ranking de ONG internacional. Em maio, apenas 13 estados tinham classificação ótima ou boa no quesito transparência com gastos ligados à pandemia.

 

Agora, em novo ranking divulgado nesta segunda-feira (29), 25 das 27 unidades da Federação aparecem com classificação ótima ou boa. Apenas Bahia e Roraima tiveram nota considerada regular.

 

A pesquisa da ONG Transparência Internacional avalia se as informações de gastos emergenciais com a pandemia estão nos portais oficiais dos governos e se são de fácil acesso para a população.

 

O coordenador da pesquisa, Guilherme France, contou que muitos gestores procuraram a ONG entre o primeiro e segundo ranking para saber como poderiam melhorar a transparência em relação aos gastos na pandemia. Guilherme destacou que a falta de um portal único com todas as informações ainda é o principal problema na maioria dos locais.

 

O destaque é o Espírito Santo, o único estado a conseguir a pontuação máxima. Ceará e Distrito Federal aparecem empatados em segundo lugar. Em seguida, vêm os estados de Rondônia, em quarto lugar, e, empatados em quinto, os estados de Goiás e Minas Gerais.

 

Houve uma melhora também entre as capitais. Em maio, na divulgação do primeiro ranking, apenas cinco das 26 capitais tinham classificação ótima ou boa. A maioria era regular ou ruim. Agora em junho, das 26 cidades pesquisadas, 18 têm uma transparência considerada ótima ou boa nos gastos emergenciais ligados à Covid-19. No final da tabela, Porto Velho, em Rondônia, aparece como única capital com classificação ruim.

 

No topo da tabela das capitais está João Pessoa, como a única com a pontuação máxima. Seguida pelas cidades de Manaus, Macapá, Vitória e, em quinto lugar, Belo Horizonte.

 

A ONG não avaliou os gastos do governo federal. A Transparência Internacional tem representação em mais de 100 países.

Ir para a versão desktop