Empresário português envolvido na Lava Jato deve ser extraditado para o Brasil

  • 14/05/2018 - 12h03

Marieta Cazarré

O empresário Raul Schmidt, acusado pelos crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Lava Jato, deve ser extraditado para o Brasil, em breve.


A secretária de Cooperação Internacional do Ministério Público Federal (MPF), Cristina Romanó, está em Lisboa para tratar da extradição do empresário, que atualmente mora em Portugal para onde se mudou após obter a dupla cidadania.


Cristina Romanó afirmou que a decisão de extradição do empresário deve ser cumprida e que já não cabe recurso.


Romanó se reunirá nesta terça-feira (15), em Lisboa, com a procuradora-geral de Portugal, Joana Marques Vidal, e com procuradores portugueses para definir os procedimentos de extradição de Schmidt.


Integrantes do Ministério das Relações Exteriores do Brasil também participarão das audiências.


Segundo o Ministério Público, a Justiça portuguesa já se manifestou diversas vezes no sentido de que a nacionalidade obtida pelo empresário, em 2011, não impede que ele seja preso, já que a ação penal refere-se a crimes cometidos antes daquele ano.


No âmbito do processo de extradição também foi definido que o julgamento, no Brasil, ocorrerá somente pelos atos praticados antes da obtenção da nacionalidade portuguesa.

Ir para a versão desktop