Ações do MPF pedem cancelamento de 52 licenças de mineração

  • 14/02/2020 - 15h59

Renata Martins

O Ministério Público Federal (MPF) aguarda manifestação da Justiça sobre o pedido de cancelamento de 52 processos em tramitação de licença para mineração em terras indígenas do Pará, junto a Agência Nacional de Mineração (ANM).

 

São duas ações, uma protocolada este mês e outra em novembro de 2019.

 

Entre as terras indígenas onde há requerimento de particulares e empresas para exploração mineral estão a Mãe Maria, em Bom Jesus do Tocantins (PA) e Nova Jacundá, em Rondon do Pará.

 

Segundo o MPF, a Constituição permite a exploração nessas áreas, mas estabelece que tal autorização só pode ser concedida depois que houver regulamentação do Congresso Nacional e consulta prévia, livre e informada às comunidades relativa à autorização administrativa, além de regulamentação legal, o que ainda não ocorreu no Brasil.

 

O procurador da República Camões Boaventura afirma que o Pará lidera o ranking dos estados da Amazônia com mais requerimentos minerários em terra indígenas.

 

Segundo Camões Boaventura, como o Brasil não preenche esses requisitos, esse tipo de requerimento não deveria nem existir.

 

De acordo com o procurador da República, as ações na Justiça não têm relação direta com projeto de lei do governo federal, protocolado esta semana, que autoriza exploração mineral, produção de petróleo, gás e geração de energia elétrica em terras indígenas.

 

Para Boaventura não se pode trabalhar com perspectiva de uma possível regulamentação e sim com o que está posto hoje.

 

A Agencia Nacional de Mineração não retornou o contato da nossa produção.

Ir para a versão desktop