Um talho de mandacaru faz água de barreiro boa de beber sem precisar ferver

  • 08/04/2017 - 10h32

Narração Mariana Martins

Preste muita atenção na história que vou lhe contar. É sobre um cientista que resolveu ajudar. Usando planta típica conhecida do nosso sertão, que é tema de música cantada pelo Rei do Baião (Sobe Som de O Xote das Meninas, de Luiz Gonzaga).

 

Se você ainda não sabe, tô falando do mandacaru, também chamado cardeiro ou simplesmente jamacaru. O mandacaru é primo do cacto e também cheinho de espinho, o que não facilita em nada o manejo do danadinho.

 

Mas vamos encurtar essa prosa. Tem um cientista acolá, pelas bandas do Ceará, que atende por Antônio Sávio, um sujeito muito sábio, que escolheu o mandacaru pra usar.

 

Depois de mais de um ano, somente a pesquisar, encontrou as propriedades da planta que o sertanejo iria ajudar. Sávio descobriu a pectina, parecida com a gelatina, com a capacidade de purificar.

 

Sonora: “Eu trabalho com um produto que se chama polímero sintético industrial. Quando eu diluo esse produto em água, ele fica com as características da pectina do mandacaru.”

 

E o processo nem dá trabaio. Basta da plantinha estar em um taio e dentro da água de barreiro jogar.

 

E o que parece mágica é a ciência na prática. Acontece a floculação, uma espécie de atração. A sujeira gruda na pectina e desce para o fundo da tina.

 

Mas ainda não tá pronta não. Pra ficar boa para o consumo, ainda falta pingar um insumo para fazer a desinfecção. Antes da água beber, adicione água sanitária, aquela da lida diária. Porque não adianta só ferver, escute com atenção essa explicação. Sávio, que é moço entendido, vai te dar uma lição.

 

Sonora: “A água de barreiro, que tem alta concentração de matéria orgânica. Então, você tem que usar um produto auxiliar, que é a cal, a cal comum, a cal de pintura.”

 

A ideia parece pequena e não é toda a solução. Mas de pouquinho em pouquinho pode ajudar a mudar o sertão, com recursos naturais a custo quase zero para a população.

 

Texto e reportagem, só pra você saber, Patrícia Leite e Anna Luisa Praser. Narração do início ao fim, feita por mim, Mariana Martins. E pra tornar esse trabalho mais belo, a sonoplastia é de Messias Melo.

 

 

Reportagem: Anna Luisa Praser e Patrícia Leite

Sonoplastia: Messias Melo

Ir para a versão desktop