Pesquisa da UnB desenvolve nanopartícula que agrega mais nutrientes a alimentos pela fertilização

  • 05/08/2019 - 17h34

Michelle Moreira

Produzir um alimento enriquecido com micro e macronutrientes, além de ser sustentável.

 

Para atingir este ideal, pesquisadores da Universidade de Brasília desenvolvem uma nanopartícula que, segundo os estudiosos, vai revolucionar o mercado de biofertilizantes.

 

A inovação pretende ser atóxica e não bioacumulável, ou seja, não deve permanecer muito tempo no ambiente e nem no organismo humano.

 

A pesquisadora Carime Vitória explica que o material impulsiona a fotossíntese das plantas, ou seja, aumenta a capacidade de capturar a luz solar essencial para a produção da glicose que serve de alimento para o vegetal. No caso do tomate, o ganho chega a ser de 130%.

 

Para a estudiosa, um dos principais ganhos da nanopartícula é contribuir para o aumento da nutrição humana.

 

Os pesquisadores também pretendem produzir um biopesticida a partir da nanopartícula. Em uma análise, eles perceberam que em 24 horas 100% das larvas do mosquito aedes aegypti foram mortas a partir do composto.

 

A nanopartícula está no processo para a obtenção de patente. Vencida esta etapa será possível fazer o registro e comercializar o produto.

Ir para a versão desktop