Bioinseticidas contra pragas no campo são desenvolvidos pela Embrapa

  • 29/06/2020 - 22h42

Gésio Passos

Uma nuvem de gafanhotos que está na Argentina se aproxima da fronteira com o Rio Grande do Sul. Com milhares de insetos, ela vem devastando plantações por todo lugar onde passa.


Uma das formas de controlar esse tipo de pragas rurais é com defensivos biológicos, através de microrganismos como fungos e bactérias, preparados em laboratório para evitar que as pragas se alastrem no campo. Rose Monnerat, pesquisadora da Embrapa, afirma que os bioinseticidas trazem menos riscos ao homem e ao meio ambiente.

 

Uma das espécies de fungos desenvolvidas pela Embrapa provoca uma letalidade de 80% em gafanhotos de uma espécie diferente da que avança pela Argentina.


Os fungos são preparados em uma biofábrica e transformados em bioinseticida, feito a base de óleo. Nas lavouras, eles são pulverizados especialmente nos nascedouros dos insetos.


Os esporos produzidos pelo fungo conseguem germinar sobre o corpo dos gafanhotos, penetrando no interior dos insetos e levando a sua morte.


Segundo a pesquisadora Rose Monnerat, o uso desse tipo de bioinseticida no país cresce 20% ao ano.


O setor de biotecnologia da Embrapa tem uma base de 28 coleções, com mais de 53 mil linhagens microbianas.

Ir para a versão desktop