Deputados mantém contrapartidas dos estados em projeto de recuperação fiscal

  • 20/04/2017 - 01h28

Lucas Pordeus León

A Câmara rejeitou nessa quarta-feira (20) dois requerimentos que previam retirar as contrapartidas exigidas dos estados no projeto de recuperação fiscal.

 

O texto em discussão suspende a dívida de estados com a União por três anos, mas em troca prevê medidas de ajuste fiscal como privatização de estatais, congelamento de salários e aumento da contribuição previdenciária de servidores.

 

A Câmara ainda precisa votar mais 10 requerimentos do projeto que pretende socorrer estados em crise. A previsão é que o tema volte ao plenário na próxima semana. O governador do Rio de Janeiro, Luis Fernando Pezão, acompanhou a votação e concorda com as contrapartidas exigidas.

 

Pezão espera que no Senado a tramitação do texto seja mais rápida. A oposição defendia um projeto sem contrapartidas. Para que elas fossem negociadas posteriormente entre a União e o Estado em crise. A deputado Jandira Fegalhi, do PCdoB do Rio de Janeiro, lamentou o projeto.

 

O texto base do projeto foi aprovado na terça-feira após duas semanas de adiamento por falta de acordo ou de quórum na Casa.

Ir para a versão desktop