MPF aponta fraude em contrato entre Assembleia Legislativa de Rondônia e empresa aérea

  • 15/07/2017 - 11h15

Michelle Moreira

Cerca de R$ 3 milhões. Este é o valor que o Ministério Público Federal alega que foi desviado para pagamentos fraudulentos e irregulares feitos pela Assembleia Legislativa de Rondônia a empresa Jacaré Táxi Aéreo.

 

De acordo com o MPF, os pagamentos foram autorizados pelos ex-presidentes da Casa Neodi Carlos Francisco de Oliveira, Valter Araújo e José Hermínio Coelho e efetuados entre os anos de 2007 e 2012.

 

Segundo as investigações, a empresa era contratada para fazer deslocamentos aéreos de parlamentares, mas vários voos pagos não foram realizados, causando enorme prejuízo aos cofres públicos.

 

O Tribunal de Justiça de Rondônia decretou a indisponibilidade de bens dos ex-presidentes, e também de Ederaldo Luiz Spinardi e Ederson spinardi, proprietários da empresa aérea.

 

O deputado estadual, José Hermínio Coelho, alega que ao assumir a presidência em 2012, encerrou o contrato com a empresa aérea, e ficou surpreso com o envolvimento de seu nome nas supostas irregularidades.
 

A ação faz parte da Operação Overbooking; uma parceria entre o Ministério Público e a Polícia Federal.

 

A expressão inglesa significa excesso de reservas, que acontece quando a venda ou reserva de bilhetes ou passagens fica acima do número de lugares realmente disponíveis, tornando impossível a prestação do serviço.

 

A reportagem não conseguiu contato com a empresa Jacaré Táxi Aéreo e nem com Neodi Carlos Francisco de Oliveira e Valter Araújo.

Ir para a versão desktop