Planalto afirma que "tentam condenar pessoas sem sequer ouvi-las"

  • 12/09/2017 - 13h01

Danyele Soares

Após a divulgação do relatório da Polícia Federal envolvendo o presidente Michel Temer, o Palácio do Planalto divulgou nota criticando o que chamou de conclusões que transformam em crimes ações que foram respaldadas pela lei.

 

O documento fala em injustiça e diz que o sistema de contribuição empresarial a campanhas políticas era perfeitamente legal, fiscalizado e sob controle da Justiça Eleitoral.

 

Na nota, o governo ressalta que desvios devem ser condenados, mas não se podem criminalizar, segundo ele, ações corretas protegidas pela Constituição.

 

O Planalto também destacou que “bandidos constroem versões por ouvir dizer e facínoras roubam do país a verdade".

 

Lamentou que reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas e criticou vazamentos e o que chamou de falsos testemunhos.

 

O governo ainda afirmou que chega-se ao ponto de se "tentar condenar pessoas sem sequer ouvi-las".

 

Segundo relatório da Polícia Federal, há indícios da prática de crimes por parte de Michel Temer e demais integrantes do chamado “grupo do PMDB da Câmara”.

 

Os citados negam as acusações.

 

* Texto e áudio modificados às 15h31 de 12/09/17 para atualização de informações. 

Ir para a versão desktop