Marco Aurélio revoga prisão domiciliar de irmã e primo de Aécio

  • 07/12/2017 - 15h51

Sayonara Moreno

O Supremo Tribunal Federal (STF) revogou a prisão domiciliar de Andrea Neves, irmã do senador do PSDB Aécio Neves.


Ela também não será mais obrigada a usar tornozeleira eletrônica. A decisão é do ministro Marco Aurélio Mello, que atendeu o pedido das defesas de Frederico Pacheco, primo do senador, e Mendherson Souza Lima, ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrella (PTB), também beneficiados com a medida.


Em junho, Andrea Neves, Mandherson Souza e Frederico Pacheco tiveram medidas cautelares impostas pelo STF, em substituição à prisão preventiva.


Entre as medidas, todos deveriam se manter em endereço fixo e estavam proibidos de manter contato com os demais investigados por corrução passiva, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa.


Além disso, estavam proibidos de sair do país, sem autorização do Supremo, e eram obrigados a usar tornozeleira eletrônica.


Andrea Neves chegou a ser levada para o Complexo Penitenciário Feminino de Belo Horizonte e, em junho, foi encaminhada para cumprir prisão domiciliar, monitorada por meio da tornozeleira.


Os envolvidos, já denunciados, são investigados por suposta prática de corrupção, organização criminosa e obstrução às investigações, incluindo o senador Aécio Neves.


Como Marco Aurélio entendeu que as denúncias que pesam sobre os três beneficiados são de corrupção passiva em coautoria, decidiu afastar as medidas impostas.


Assim, os três não serão obrigados a cumprir as medidas cautelares como uso da tornozeleira, proibição de sair do país e manter contado com outros investigados, como o senador Aécio Neves.

Ir para a versão desktop