Temer diz que reformas de seu governo estavam previstas no programa Ponte para o Futuro, do MDB

  • 13/03/2018 - 22h48

Eliane Gonçalves

A eleição de 2018 foi o pano de fundo da visita a São Paulo, e o presidente Michel Temer aproveitou o espaço para defender as reformas aprovadas no seu governo. Falou sobre o desafio que foi aprovar o teto de gastos públicos, a reforma trabalhista e a reforma do ensino médio.

 

Lembrou que eram mudanças que estavam previstas no programa Ponte para o Futuro, da Fundação Ulisses Guimaraes, do MDB. Disse que, no governo passado, ele foi tratado como programa da oposição, mas que aproveitou a baixa popularidade para conseguir fazer tudo o que precisava ser feito.

 

Em relação à reforma da Previdência, o presidente disse que ela saiu da agenda legislativa, mas não saiu da agenda política e, ao defender a intervenção federal no Rio de Janeiro, acenou com a possibilidade de que a presença dos militares na capital fluminense possa acabar já em setembro para que as mudanças na Previdência Social possam voltar à ser discutidas pelo Congresso Nacional.

 

Michel Temer ainda se referiu, indiretamente, à delação premiada dos executivos da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud, que deixaram a cadeia na última sexta-feira (10) e acusaram Temer de ter participado de esquemas de corrupção. O que ele chamou de tentativa de degradação e prometeu combater.

 

Michel Temer encerrou a visita afirmando que seu governo foi um dos melhores dos últimos anos e cancelou a agenda que teria no início da noite: a abertura do Fórum Econômico Mundial da América Latina que acontece no luxuoso hotel Tangará, o primeiro seis estrelas da capital paulista.

Ir para a versão desktop