Líder diz que PR integrará base do governo Bolsonaro; PSDB vai apoiar reformas

  • 06/12/2018 - 09h21

Kariane Costa

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou, nessa quarta-feira (5), que não vai manter no governo dele pessoas envolvidas em casos sérios de corrupção.

 

Bolsonaro fez a declaração durante conversa com jornalistas no Quartel General do Exército, em Brasilia, onde recebeu a Medalha do Pacificador com Palma por ter impedido o afogamento de um militar, em 1978, na corporação em que servia.

 

Bolsonaro também comentou sobre a Funai. O presidente eleito disse que ainda não está definida a pasta para onde vai o comando da fundação.

 

Ele disse que não pode confirmar se a Funai vai sair do Ministério da Justiça, mas ponderou que Sérgio Moro, que vai comandar a pasta, está sobrecarregado de atribuições no Ministério da Justiça.

 

Durante toda a tarde, Bolsonaro recebeu parlamentares dos partidos PR e PSDB. Os encontros foram separados.

 

O deputado José Rocha, líder do PR na Câmara, disse que o partido saiu da reunião oficialmente como base do governo. Ele contou que Bolsonaro pediu apoio para propostas que serão enviadas ao Congresso, mas sem o famoso “toma lá dá cá”.

 

Apesar de dizer que vai compor a base do governo, José Rocha ressaltou que, nas votações, cada deputado terá liberdade para votar conforme achar adequado.

 

Ao deixar a reunião, o líder do PSDB na Câmara, Nilson Leitão, afirmou que o partido vai apoiar o governo Bolsonaro nas aprovação das reformas.

 

Nesta quinta-feira (6), Bolsonaro recebe parlamentares na Granja do Torto. O retorno ao Rio de Janeiro está previsto para as 17h. 

Ir para a versão desktop